Portal da Cidade Cabo Frio

ALERTA

Turismo náutico cresce na pandemia e acende alerta para os riscos de acidentes

Com o boom do setor, cabo-frienses e turistas devem ficar atentos às normas marítimas para curtir o lazer náutico com segurança

Publicado em 11/01/2022 às 21:31 |

A causa mais frequente dos acidentes envolvendo embarcações no mar é o fator humano. (Foto: Ilustrativa/Pexels)

Na pandemia e com a chegada da alta temporada, os passeios de barco e lancha têm se tornado opções muito procuradas por moradores e turistas de Cabo Frio. Desde o início do verão, o setor do turismo náutico tem vivido um boom, com embarcações de esporte e recreio lotando praias e lagoas da cidade. Mas, os recentes acidentes envolvendo lanchas na Ilha dos Papagaios e no município de Capitólio (MG) acenderam o alerta para a importância dos cuidados preventivos para uma navegação segura.


As águas da Ilha do Japonês, em Cabo Frio, têm sido altamente frequentadas por moradores e turistas

Foto: Reprodução


Lucas Rosa é empresário no ramo de cotas náuticas há oito anos em Cabo Frio e tem observado de perto a intensa movimentação no setor. “Curiosamente, o aumento significativo no turismo náutico em Cabo Frio se deu em plena pandemia, talvez pelo fato de muitos profissionais passarem a trabalhar no modelo de home office, o que permite um trabalho mais flexível no que se refere à carga horária. Além disso, eu imagino que Cabo Frio tenha sido um refúgio para algumas pessoas das grandes cidades nesse período pandêmico e, por se tratar de uma atividade ao ar livre, com baixo risco de propagação do Covid, o passeio náutico se tornou a melhor opção de lazer”, conta o empresário, que também administra uma marina para a guarda de jet skis particulares.


Em Cabo Frio, passeios náuticos tem se tornado uma das opções de lazer mais procuradas durante a pandemia

Foto: Divulgação/Acquamarine


Somente na empresa de Lucas, a Acquamarine, uma média de 10 passeios são realizados por dia durante a semana e, aos fins de semana e feriados, o número sobe para 30. Segundo o empresário, apesar de ser uma excelente opção de lazer na região, os passeios exigem muito cuidado por parte dos condutores e também dos clientes. “Já presenciei inúmeros episódios de irresponsabilidade por parte de alguns profissionais não capacitados e, sobretudo, dos clientes que nem sempre entendem o quão arriscado podem ser determinadas condutas no mar. O primeiro critério que deve ser observado é o histórico da empresa e do profissional contratado para prestar o serviço. É preciso ter boas referências e buscar indicações. Antes de iniciar qualquer passeio, também é indispensável verificar se a embarcação possui material de salvatagem, como coletes salva-vidas, boias etc”, ressalta.


Foto: Divulgação/Acquamarine


Para aqueles que já têm embarcação, o empresário também deixa um alerta. “Aos clientes que possuem embarcação própria, mas ainda não possuem prática na condução, é importante que contratem um marinheiro experiente. O fato de a pessoa ter carteira de arrais ou motonauta não significa, necessariamente, que ela esteja apta a conduzir com segurança. Importante lembrar que se estiver conduzindo a embarcação, o consumo de bebida alcoólica é proibido, assim como no trânsito terrestre. O respeito às condições climáticas também é fundamental. A nossa região tem um mar predominantemente agitado e é preciso entender que nem sempre vai ser possível navegar até Arraial do Cabo, por exemplo”, destaca.


Reforço na fiscalização

No último domingo (9), um grupo de turistas se viu em apuros na Ilha dos Papagaios quando a lancha em que estavam navegando naufragou. O episódio foi registrado em vídeo. A ocorrência foi atendida pela Capitania dos Portos de Cabo Frio, subordinada ao comando do 1º Distrito Naval da Marinha do Brasil. Desde o dia 17 de dezembro, o órgão tem intensificado a fiscalização nas águas oceânicas e interiores, em todas as áreas de prática de atividades náuticas. As ações fazem parte da campanha “Operação Verão 2021/2022 – Navegue Seguro: a sua melhor escolha”.



Acidente com lancha aconteceu na Ilha dos Papagaios

Imagens: Reprodução


Durante as ações de fiscalização, as equipes de inspeção naval abordam as embarcações, verificando documentação e a habilitação dos condutores, a existência e o estado de conservação do material de salvatagem e o comportamento da embarcação quanto às regras de navegação. A ação objetiva orientar, instruir e fiscalizar o tráfego aquaviário, contribuindo para a elevação da mentalidade de segurança no mar. Qualquer irregularidade na condução de embarcações é passível de multa, sendo o responsável autuado administrativamente pelo Agente da Autoridade Marítima, com a possibilidade de suspensão da habilitação, temporariamente ou em definitivo, conforme a gravidade da infração.


Atividades de inspeção militar contam com o auxílio de lanchas, motos aquáticas e viaturas

Foto: Divulgação/Marinha do Brasil


No município, a Delegacia de Cabo Frio (DelCFrio) intensificou as ações em seus polos de Inspeção Naval, que incluem ainda os municípios de Arraial do Cabo, Búzios e a Lagoa de Araruama. As embarcações que oferecerem perigo por navegar em local não permitido ou descumprindo os requisitos previstos na Lei 9.537/97 poderão ser apreendidas, de acordo com a gravidade da infração.


Regras para navegação

No caso de embarcações movidas a motor, tais como lanchas e motos aquáticas, o tráfego é permitido somente a mais de 200 metros da orla. As embarcações a remo e a vela podem navegar a partir de 100 metros da orla. Para os casos de aproximação de embarcações junto à orla das praias, há regras que se resumem da seguinte forma: para embarque e desembarque de passageiros ou material, as embarcações podem se aproximar, mantendo velocidade inferior a aproximadamente 5 km (muito devagar), preservando a segurança dos banhistas, de preferência, em local livre de pessoas e nas extremidades da faixa de areia. Além disso, a aproximação e afastamento devem ocorrer, obrigatoriamente, em direção perpendicular à orla das praias.

Segundo a Marinha, a causa mais frequente dos acidentes envolvendo embarcações no mar é o fator humano. Condutas associadas à imprudência e à negligência dos condutores estão entre as infrações mais identificadas. Entre as irregularidades mais recorrentes estão a condução de embarcação por pessoa não habilitada; documentação da embarcação incompleta ou vencida; falta de material de salvatagem; excesso de lotação da embarcação, consumo de bebida alcoólica durante a condução e más condições de navegabilidade das embarcações.

Para emergências marítimas e pedidos de auxílio, a Marinha do Brasil atende chamados pelo telefone 185. No Rio de Janeiro, também são disponibilizados os números (21) 2104-5480 (diretamente com a Capitania dos Portos do Rio para atendimento de denúncias) e (21) 97299-8300 (para o envio de imagens, que contribuem para a identificação da infração) ou (22) 2772-1889 (diretamente com a Capitania dos Portos de Macaé).

Este ano, a campanha publicitária da “Operação Verão” tem como base os chamados 10 mandamentos da Segurança da Navegação:

1) Conduza sua embarcação com prudência para evitar acidentes;

2) Se beber, passe o timão para alguém habilitado;

3) Mantenha a distância dos banhistas para evitar acidentes;

4) Mantenha os extintores de incêndio dentro da validade;

5) Tenha coletes salva-vidas para todos a bordo;

6) Tenha a bordo o material de salvatagem prescrito pela Capitania;

7) Faça a manutenção correta da sua embarcação;

8) Ao sair, informe o seu plano de navegação ao iate, marina ou condomínio;

9) Respeite a vida, seja solidário, preste socorro; e

10) Não polua nossos mares e rios.


Ordenamento do turismo náutico em Cabo Frio

Ao Portal da Cidade, a Prefeitura de Cabo Frio informou que o ordenamento da atividade náutica no município está na fase final de estudos. A Secretaria Adjunta de Fiscalização e Licenciamento segue realizando a revisão das leis que regulamentam a atividade.

De acordo com a Secretaria Municipal de Turismo, Esporte e Lazer, o píer do Terminal de Transatlânticos é utilizado para embarque e desembarque de lanchas, com organização da própria Secretaria e controle da Guarda Marítima e Ambiental. O município também informou que todas as pessoas que passam pelo terminal são recebidas por atendentes da Secretaria de Turismo, que fazem a aferição da temperatura e cobram o uso de máscaras de proteção. Já o Terminal de Passeios de Barco está temporariamente fechado para reforma.

Com relação às canoas havaianas, a Prefeitura informou que o ordenamento da atividade está sendo planejado em conjunto com representantes do esporte e outros interessados. A previsão é de que novas regras sejam implementadas ainda neste verão.

Fonte:

Receba as notícias de Cabo Frio no seu WhatsApp.
Clique aqui, é gratis!

Deixe seu comentário

Outras notícias